PARCERIA DAS CONSERVAS

Parceria das Conservas

No início eram as “três da vida airada”, agora são apenas duas. Rosa e Dora são as mulheres por trás da Parceria das Conservas, que desde que abriu tem vindo a ensinar aos portugueses que uma conserva pode ser muito mais do que a comida do “desenrasca.”

Há seis anos, Dora estava com vontade de fazer uma coisa diferente. Na altura, as bancas da zona de restauração do então recém-remodelado Mercado de Campo de Ourique estavam a concurso. Dora aventurou-se, ganhou, e, juntamente com Rosa e outra amiga, decidiram manter o conceito do espaço já existente — as conservas.

Rosa e Dora admitem que, no início desta parceria, não eram muito conhecedoras de conservas. No entanto, foram sendo agradavelmente surpreendidas por todos os produtos que têm vindo a experimentar. Na Parceria das Conservas vendem marcas de pequenos produtores de conservas que não se encontram no supermercado e cuja qualidade é bastante superior.

Há marcas, por exemplo, que usam apenas peixe fresco comprado na lota e que é logo preparado para as conservas, sem qualquer necessidade de refrigeração. Outras trabalham exclusivamente com peixe pescado na nossa costa. E outras ainda que começam a utilizar apenas produtos biológicos, como o azeite ou outros ingredientes. Mas todas elas têm uma característica em comum, explicam Dora e Rosa. Em Portugal, ao contrário de em muitos outros países, as conservas não levam qualquer aditivo artificial, e o único conservante adicionado é o sal.

Na banca de Dora e Rosa encontram conservas de atum dos Açores, por exemplo, mas também de outros peixes favoritos dos portugueses, como o bacalhau ou o salmão com ervas da Arrábida.

Na Parceria das Conservas a escolha é muita, e os clientes costumam pedir recomendações pois, por norma, só conhecem as conservas de supermercado. O atum, como não é surpresa para ninguém, é o peixe em conserva favorito dos portugueses. Na Parceria das Conservas encontram conservas de atum dos Açores, por exemplo, mas também de outros peixes favoritos dos portugueses, como o bacalhau ou o salmão com ervas da Arrábida. Depois há sempre aquelas opções mais estranhas, entre elas a conserva de raia, que Dora e Rosa concordam que é a conserva mais diferente que vendem.

Há seis anos, as duas da vida airada aceitaram o desafio das conservas, e não podiam estar mais satisfeitas, porque o negócio continua a correr bem. Além disso, conta Dora, ambas têm uma relação profunda com o bairro. Rosa vive em Campo de Ourique e Dora, mesmo morando ali ao lado, em Campolide, diz que o bairro “sempre foi um bairro especial e confortável.” Não é preciso sair dali para ter acesso a tudo: frutas e legumes frescos, lojas, escolas, farmácias, restaurantes e, claro está, conservas.

Texto: Raquel Magalhães
Fotografia: Alice Bracchi

Endereço: Mercado Municipal de Campo de Ourique Rua Coelho da Rocha

Telefone:


Produtos

DE VOLTA AO TOPO